quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Uma conversa afinada....

Sinto falta de discussões consistentes, palavras engajadas e anseio por mudanças. Nesta tarde conversei com Luiz Fernando Priamo, um dos criadores do caderno literário Encontrare. Uma pessoa sonhadora e cheia de boas idéias.
Abaixo um trecho da conversa que merece destaque.
Luiz: às vezes penso a função de escrever em um país de analfabetos, funcionais ou não me sinto idiota pretendendo um futuro nisso.
eu: Aí é que está, depende do quanto você se envolve com estas causas. Do quanto você quer democratizar isto. Ser jornalista é também encontrar linhas editoriais e públicos.
Luiz: pois é, igual ao encontrare, acho que estamos no caminho errado...
eu: pq?
Luiz: precisamos expandir esse universo e não restringir
eu: mas o quanto é ele restrito?
Luiz: se há a ferramenta pq não usar? e eu acredito que a poesia, seja através de qual meio for tem a capacidade de acesso e penetração. Ele gira no mesmo eixo da galera "cultural" de JF onde circula grana, onde as pessoas podem acessá-lo de modo diferente por isso prezo a criação de um site ou blog onde terá o suporte do encontrare e o papel deve chegar além disso esse, aliás, foi o pensamento primeiro do caderno...mas foi tomando outros rumos que não me suprem enquanto pessoa.
eu: entendo e acho interessante o seu ponto de vista. Apesar de reconhecer que ele já representa um avanço no que diz respeito a propagação da poesia e fazer com que pessoas possam exprimir suas idéias de uma forma diferente. (...)
Sendo gratuito e distribuído ele tem uma vida maior, passa para outras pessoas...
Luiz: mas não pode ficar restrito.
eu: E o que fazer além da internet, que ainda representa restrições? Pq é claro que você vai abranger outras cidades, outras pessoas, mas que tipo de público irá acessá-lo?(ainda quem se interessa por cultura?)
Luiz: sim, isso. Não há como fugir mas, por exemplo, no bairro Santo Antônio há uma escola onde uma professora formou com os alunos mais de vinte grupos de contadores de história, já pensou quantos gostam de poesia e não conhecem o encontrare? não que sejamos o veículo ideal e único na cidade.
longe disso mas é uma questão de fazer a poesia realmente girar e a cidade pode propiciar isso, basta boa vontade nossa.
eu: é interessante. talvez vocês possam plantar esta semente em pequenos projetos como estes e para depois vê-los dar frutos.As crianças absorvem e aprendem o que lhes é passado de bom grado tudo é novidadee a poesia também pode ser.
Luiz: claro e creio sinceramente no poder da linguagemé a grande força de mudança que temose a poesia é o que flexibiliza essa penetração da linguagem .
eu: Com certeza seria uma forma de mostrar que poesia é algo agradávelpq a própria educação com os vestibulares e outras obrigações força os estudantes a verem este tipo de linguagem como algo árduo e díficil de entender.
Luiz: estou com planos, mas necessita amadurecimento.
eu: claro...é preciso pensar e muito.mas você tem boas idéias.
Luiz: mas quero praticar, tem ong e projetos que penso serem boas iniciativas culturais
eu: ah sim, parcerias são sempre bem vindas.
Luiz: o pessoal do Eco tbm já pensou algo, creio que é palpávelnão seria ensinar poesiamas mostrar o que é e onde está.
eu: boa idéia.
Luiz: porque a poesia necessita abstração.
eu: é verdade, tem razão.
Luiz: nem todo mundo percebe que vai além do escrito, não é preciso retirar da cabeça das pessoas o peso de caras como camões, olavo bilac...que são válidos, mas não atingem.
Precisamos democratizar a poesia, idéias não faltam. O que você sugere?

3 comentários:

Luiz Fernando "Mirabel" disse...

Juliaaaaaa, meus erros de escrita!!
Escrever com pressa dá nisso, deixa eu arrumar essas coisas?

Huhauhauah

Ah, deixa...a linguística me permite!
hehehe

beijo e obrigado pelo destaque!
sempre bom conversar!

Sávio Damato disse...

Ótima postagem...
realmente parece que alguns movimentos literários-culturais, antes dispersos, começam a ganhar força e, quem sabe, somar forças.
O Caderno Encontrare é sem dúvida uma grande iniciativa. Espero que tenha vida longa e próspera. A idéia do blog é bem legal. Eu mesmo, embora tente acompanhar os lançamentos, não tenho todos os números. Seria ótimo poder acessar os trabalhos que não tenho e até mesmo trocar figurinhas com os autores. Quem sabe até estabelecer parcerias por afinidades.

Parabéns pela postagem, Julia. E parabéns pela iniciativa, Mirabel.

Abraço poético.

Thiago Almeida disse...

Hoje é comum, no que diz respeito a propagação de algum assunto (por vídeo, texto, representação artística das mais variadas...), citar a internet.
Bem, acredito que a internet seja mais uma GRANDE aliada nesta democratização. Porém, os Fanzines, exposições, saraus, folhetins, enfim, também possui forte influencia.
Deve-se alinhar tudo isso ao nosso favor, ou seja, levar a linguagem da internet para o impresso e vice-versa.
Promover vídeos-saraus na internet; publicação impressa de poemas que estão na web; Encontros; Feiras e exposições; e muito mais.

Além de promover e estimular a escrita nos mais jovens, devemos tornar público os que já estão aí... Prontos!