segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

2009 vai deixar saudade!



2009 chega ao fim.
O fim traz lembranças e faz com que estes dias do passado se reflitam no presente.
Este foi um ano muito importante para a escritora deste blog.

Experimentei o gostinho de cada dia. Dias temperados, doces, amargos. Mas felizes!
Experimentei a saudade. A despedida do presente, o adeus e o voto de "até a próxima". E chorei!
Experimentei o fim da faculdade e dos amigos que compartilharam 4 anos de história.
Experimentei o novo e o que destino me reservava.
Descobri que poderia dançar, que os talentos aparecem, que a alegria está em todo lugar e para que isto aconteça só depende de você.
Redescobri a ternura.
Tomei "banho de chuva"!
Visitei amigos, reafirmei laços, fui surpreendida.
Ganhei promoções.
Escrevi poesia.
Aproveitei oportunidades.
E também soube dar oportunidades.
Fiz amigos!
Contei com o apoio de amigos especiais, verdadeiros anjos.
Descobri o quanto eu sou especial e o quanto a minha humildade não me permitia enxergar os meus valores.
Apostei em ideias próprias e venci, com 100! Dalê monografia!
Tive a minha primeira festa surpresa.
Contei segredos guardados a sete chaves...
Viajei muito.
Li demais.
Conheci pessoas fantásticas e aprendi com elas.
Refleti, cresci.

2009 foi o ano das pessoas!
Pessoas queridas, presentes e amavéis.

obs.: Claudia Berro e Amanda Messias, obrigada pela inspiração. O texto de hoje é diferente dos outros, porque é escrito em primeira pessoa. 2009 também foi o ano do "eu profundo e dos outros eus".

2010, você tá aí? Pode chegar.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Uma década! É hora de lembrar...

2010 está chegando.
Neste decênio passamos por muitos desafios e cenas memoravéis. Em 2001, dois aviões cortaram o céu e invadiram as Torres Gêmeas do World Trade Center em Nova York. No final deste período enfrentamos uma grave crise econômica, notícias alarmantes sobre a gripe suína e a discussão sobre o futuro no planeta no aspecto ambiental em Copenhague. Ainda falta mais um ano para completar este ciclo. Muita água ainda vai passar debaixo desta ponte!

Mas em relação ao consumo da indústria cultural na primeira década do terceiro milênio. Qual foi o seu gosto? O que tocou o seu coração? Para responder essas perguntas, o jornal Le Figaro (França) lançou uma enquete aos seus leitores.

O resultado foi pra lá de açucarado e interessante. Shrek (2001) aparece em primeiro lugar entre as animações da década. Já o melhor filme, é "O Fabuloso Destino de Amélie Poulin", também de 2001. No artigo que precede as estatísticas da enquete, o autor revela: "nos entregamos ao clima da criança-algodão de Amélie Poulin". Realmente, uma fofura.

Albergue Espanhol e Os coralistas, estão em segundo e terceiro lugar respectivamente.

Um outro dado interessante pinçado pela pesquisa é o destaque da música "anglo-saxônica". Amy Winehouse está no primeiro lugar da categoria. A cantora que explodiu em 2006 com o album Back to Black, recria o universo pop com uma voz semelhante à de Billie Holiday e mantém sua qualidade de trabalho, mesmo com uma vida atribulada e cheia de passagens pelas clínicas de "Rehab". O público reconheceu os méritos da cantora.

Muitos quesitos ficaram de fora. Eu poderia incluir, de forma mais crítica e não tão adocicada, a atuação de Heath Ledger como o famoso Coringa, de "Batman: The Dark Knight". Ou até mesmo dizer que tivemos a oportunidade de conhecer as várias faces do espanhol Javier Bardem e de outras atuações da mesma qualidade que não deixaram de tocar o coração!

Se os jornais brasileiros fizessem a mesma reflexão por aqui, certamente deveriam se lembrar da ascenção de Fernando Meireles ao projetar "Cidade de Deus" para o mundo, ao concorrer um Oscar em 2004. São dez anos a serem garimpados, ítens demais para a nossa pauta.

A pesquisa levantada pelo jornal francês é inteligente e nostálgica. Há pouco tempo, me questionei a respeito de quais seriam os talentos ou os verdadeiros "feitos culturais" do período em voga. Dizem que vivemos a era dos ilustres desconhecidos, na qual a internet e sites como You Tube e My Space transformam "o gosto uniforme da massa" em algo divergente, dividindo as pessoas em verdadeiras ilhas culturais. Creio que este fenômeno está acontecendo, mas ainda é algo que marca o fim da década e tende a se concretizar na próxima. Até então, ainda podemos listar e compartilhar de opiniões tão doces quanto as dos europeus.

sábado, 5 de dezembro de 2009

A arte e ponto.




Mais uma vez, Yann Tiersen no Juliette Escreve.

Sem palavras.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O inferno são os outros?

O que será que Simone de Beauvoir, Jean Paul Sartre e Che Guevara tanto conversaram?

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Final de ano

Mais um ano chega ao fim. Apressado, atropelado, sem pedir licença. Os índicios de sua chegada são muitos e transcendem a idéia de apenas estarmos no mês 11. São as luzes de natal que já começam a enfeitar as casas, as metas previstas no ano anterior que precisam ser cumpridas em tão pouco tempo e também os objetivos a serem alcançados para o próximo ano.

Aposto como alguém já te perguntou em qual cidade você vai passar o ano novo! Ou então já te fizeram a mais clichê das questões: "Você não acha que o ano passou depressa demais?".
A previsibilidade sazonal do ser humano é impressionante. Por que ainda ficamos assustados com o término de um conjunto de 365 dias? Será que é por que vivemos em uma sociedade que vive a mil por hora, com tempo escasso para qualquer coisa e assim, este ano que acabara poderia ter sido melhor aproveitado?

Ou será que isto é normal mesmo?

O fim do ano tem férias, 13º salário, natal, ano novo, presentes, retrospectiva, missa do galo, show da virada, especial do Roberto Carlos, estradas cheias, viagens, praia, família, ceia, bebida, música, reflexões, ponderações, desabafos, flores para iemanjá, reencontros, perspectivas, análises, formaturas, provas, conclusões.

Novembro e dezembro são meses bem agitados e previamente planejados. E se não fossem assim, como seriam?

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Samba da espera

Nessa espera o mundo gira em linhas tortas.

Telefone não toca.
Mensagens não chegam.
O mundo para.
Chega o final de semana.
Próxima parada?
Cerveja.
Semana recomeça.
Rotina.
Aula.
Vida.

Cadê você?

sábado, 7 de novembro de 2009

Essas pessoas da mesa de bar...

Mesa de bar. Pessoas diferentes reunidas e assuntos diversos.

Até que é chegado o momento musical. E então, o que gostam de ouvir?

As respostas também são diversas. E alguém responde: "Gosto de Mutantes. Acompanho o trabalho da Rita Lee, desde então."

"A Rita Lee fazia parte dos Mutantes?".

"Fazia. E acho melhor você procurar se informar mais. Afinal de quem era a voz feminina do grupo? Celi Campelo? (risos absurdos e altos)".

Pergunta ríspida e crítica. Evita-se uma possível briga.

Conversa encerrada.

domingo, 1 de novembro de 2009

Primeiro Plano

A dica do Juliette escreve é o blog do Festival de Cinema Primeiro Plano, realizado em Juiz de Fora (MG) dos dias 26 a 31 de outubro.
As críticas e os mais diversos aspectos sobre os filmes do festival estão postadas no site: http://primeiroplanojf.wordpress.com/
Vale a pena conferir!

domingo, 18 de outubro de 2009

Diário de outra folia...

a.ba.dá
sf (ioruba agbáda) Túnica branca com que os negros malês, em certas noites, se vestiam para rezar.

O verbete do dicionário explica o significado da palavra abadá. Busquei a origem deste termo, para descobrir o real valor de uma camisa que ganhei na semana passada.
Entre os dias 15 a 17 de outubro, foi realizado o JF Folia, em Juiz de Fora(MG). O evento traz os "ícones do axé" para a cidade, além de transformar este provinciano munícipio em uma extensão de Copacabana. Cariocas são encontrados em todas as partes. Na padaria, no bar, no supermercado, nas praças. E acreditem: andam de sunga pelas ruas para mostrarem o que o carioca tem (ou não tem).
Na vespéra do evento, costureiras correm contra o relógio para customizar os abadás dos foliões. Sim, o abadá é uma veste que dá acesso à micareta e representa uma ala na qual as pessoas pagaram caro por este pedaço de pano, para estarem próximas de outras que também o fizeram, e assim cria-se um ambiente "selecionado". Do significado original da palavra abadá, resta apenas o ato de se vestir para uma finalidade específica. No caso da micareta, o objetivo é correr atrás de um trio elétrico sem parar e beijar na boca de quem estiver na frente.
Na semana em que a folia irá acontecer, a bolsa e os índices do preço do abadá, dos camarotes e dos ingressos de pista sobem. Há uma super valorização deste carnaval fora de época e quem lucra com isto são os patrocinadores, cambistas, organizadores e claro, os vencedores de promoções.
Como uma recente twitteira, resolvi seguir o shopping da cidade que oferecia diversas promoções aos seus "followers". E desta forma, fui contemplada com um abadá feminino para esta festa da música baiana, com a participação paranaense de Michel Teló (um cantor de música sertaneja).
Com a veste e o cartão de acesso na mão, me questionei se deveria ir ou não. Afinal, por que todo cidadão juizforano se rende a esta micareta? Deveria eu, também estar nesta patuscada?
Diante das dúvidas, preferi vender o abadá. Fiz um anúncio na comunidade do evento no orkut e logo apareceu uma compradora que estava desesperada por um lugarzinho nesta festa. A vontade dela de usufruir deste "uniforme folião" era muito maior do que a minha.
Minha folia foi à base de rock, pop e nostalgia. Teve beijo na boca sim, mas com qualidade, bem curtido. E não com a fúria 355.908 foliões(chute total de dados) em busca de alguma coisa.
As pessoas mudam, os valores também. Quem sabe em uma outra estação, vibe ou vida, toparei com uma micareta pela frente?
Vai saber!

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Uma conversa afinada....

Sinto falta de discussões consistentes, palavras engajadas e anseio por mudanças. Nesta tarde conversei com Luiz Fernando Priamo, um dos criadores do caderno literário Encontrare. Uma pessoa sonhadora e cheia de boas idéias.
Abaixo um trecho da conversa que merece destaque.
Luiz: às vezes penso a função de escrever em um país de analfabetos, funcionais ou não me sinto idiota pretendendo um futuro nisso.
eu: Aí é que está, depende do quanto você se envolve com estas causas. Do quanto você quer democratizar isto. Ser jornalista é também encontrar linhas editoriais e públicos.
Luiz: pois é, igual ao encontrare, acho que estamos no caminho errado...
eu: pq?
Luiz: precisamos expandir esse universo e não restringir
eu: mas o quanto é ele restrito?
Luiz: se há a ferramenta pq não usar? e eu acredito que a poesia, seja através de qual meio for tem a capacidade de acesso e penetração. Ele gira no mesmo eixo da galera "cultural" de JF onde circula grana, onde as pessoas podem acessá-lo de modo diferente por isso prezo a criação de um site ou blog onde terá o suporte do encontrare e o papel deve chegar além disso esse, aliás, foi o pensamento primeiro do caderno...mas foi tomando outros rumos que não me suprem enquanto pessoa.
eu: entendo e acho interessante o seu ponto de vista. Apesar de reconhecer que ele já representa um avanço no que diz respeito a propagação da poesia e fazer com que pessoas possam exprimir suas idéias de uma forma diferente. (...)
Sendo gratuito e distribuído ele tem uma vida maior, passa para outras pessoas...
Luiz: mas não pode ficar restrito.
eu: E o que fazer além da internet, que ainda representa restrições? Pq é claro que você vai abranger outras cidades, outras pessoas, mas que tipo de público irá acessá-lo?(ainda quem se interessa por cultura?)
Luiz: sim, isso. Não há como fugir mas, por exemplo, no bairro Santo Antônio há uma escola onde uma professora formou com os alunos mais de vinte grupos de contadores de história, já pensou quantos gostam de poesia e não conhecem o encontrare? não que sejamos o veículo ideal e único na cidade.
longe disso mas é uma questão de fazer a poesia realmente girar e a cidade pode propiciar isso, basta boa vontade nossa.
eu: é interessante. talvez vocês possam plantar esta semente em pequenos projetos como estes e para depois vê-los dar frutos.As crianças absorvem e aprendem o que lhes é passado de bom grado tudo é novidadee a poesia também pode ser.
Luiz: claro e creio sinceramente no poder da linguagemé a grande força de mudança que temose a poesia é o que flexibiliza essa penetração da linguagem .
eu: Com certeza seria uma forma de mostrar que poesia é algo agradávelpq a própria educação com os vestibulares e outras obrigações força os estudantes a verem este tipo de linguagem como algo árduo e díficil de entender.
Luiz: estou com planos, mas necessita amadurecimento.
eu: claro...é preciso pensar e muito.mas você tem boas idéias.
Luiz: mas quero praticar, tem ong e projetos que penso serem boas iniciativas culturais
eu: ah sim, parcerias são sempre bem vindas.
Luiz: o pessoal do Eco tbm já pensou algo, creio que é palpávelnão seria ensinar poesiamas mostrar o que é e onde está.
eu: boa idéia.
Luiz: porque a poesia necessita abstração.
eu: é verdade, tem razão.
Luiz: nem todo mundo percebe que vai além do escrito, não é preciso retirar da cabeça das pessoas o peso de caras como camões, olavo bilac...que são válidos, mas não atingem.
Precisamos democratizar a poesia, idéias não faltam. O que você sugere?

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Era uma vez um jornalista que resolveu virar poeta...

No mês de agosto fiz uma visita ao Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais. Depois de conhecer toda a estrutura do local, encontrei um senhor de 85 anos. Muito simpático e sorridente, ele logo se identificou: "Prazer, sou Sebastião Henriques. Trabalhei do Diário do Comércio e em muitos outros lugares. Hoje tenho uma pequena surpresa para você. Como é o seu nome mesmo?
Você se parece com a Julia Roberts ou Julia Lemetz...".
Alguma voz soprava o meu nome em seu ouvido. Ele quase acertou, poderia apenas não achar que eu seria uma pessoa famosa. Entre um lapso de memória, conversas sem sentido e lembranças dos tempos de jornalismo, Sebastião me entregou um livro autografado com poesias escritas por ele.
Aceitei o livro e tudo o que ele representa para aquele senhor, que não mais trabalhava nas redações e vivia agora mergulhado em lembranças e versos. A obra intitulada "A Natureza em cantos (cantos, encantos, desencantos, recantos da Terra e do Mar)", representa também a sua ocupação, suas letras, um reflexo de sua vida. Uma forma de não desprender-se das letras, dos textos, sejam eles em verso ou prosa.
Eis aqui, um exemplo dos versos do jornalista que enveredou para o lado da poesia:



Tempestade
Sexta-feira 13, dia de azar
Para muita gente, em verdade
Cai por cima de certa cidade
Onde um só recurso é rezar
Vejo em revista a preciosidade
Trágica da foto a nos levar
À reflexão de que há muito a penar
Sob relâmpago e tempestade
Sofrem, areia, lagoa, o mar
Na visão do claro e escuro
Em tela pintada a duas cores.
A lama laranja a procurar
Espaço mesmo que obscuro
Cobre consciências indolores



Nunca é tarde para descobrir um nova habilidade dentro nós.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Tudo que é bom dura muito!

A publicidade tende a perenizar os seus comerciais com jingles bem elaborados que fazem com que o telespectador ou ouvinte guarde bem determinada mensagem. As propagandas também reconhecem os clássicos musicais, como uma forma de identificação e credibilidade da marca a ser vendida, além da qualidade sonora.

Dirigido por Heitor Dhalia, o novo comercial da operadora Claro, traz a música "Should I Stay or Should I go" do The Clash.



Para lançar o novo Ford Fusion, os criadores da campanha trouxeram AC/DC para a trilha sonora com Back in Black.




Agora pensem nos hits radiofônicos dos últimos anos. O que sobrou disto? O que deve ser lembrado? Haveria uma empresa interessada em associar o seu produto à algo tão superficial quanto as mensagens contidas nas músicas compostas por estes artistas ou a falta de apuração sonora?
O que é ruim é que dura pouco, muito pouco.

sábado, 29 de agosto de 2009

É preciso salvar o jornalismo!

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, anunciou no mês de julho, o fim da exigência do diploma para o exercício do jornalismo. Uma decisão que permeou as principais discussões entre os profissionais da área e os estudantes de comunicação que previam um futuro mais focado na qualidade da formação e na reserva de mercado.

Algumas faculdades sofreram com esta decisão em função da queda do número de inscritos para o vestibular de jornalismo. As empresas e instituições se questionam ainda sobre o processo de seleção de empregados e os recém-formados esperam por uma resposta concreta.

O fazer jornalístico vive uma fase de transição de valores, preceitos e ações. As novas tecnologias permitem que os internautas pratiquem o exercício da cidadania com flagrantes de seus bairros em colunas classificadas como "você é o repórter"; o twitter apresenta um texto em apenas duas linhas (no máximo) e agiliza a chegada da informação; os jornais impressos dimunuem de tamanho e reduzem o preço de venda. Além disso, a boa apuração e investigação torna-se algo mais contemplado em revistas semanais, dedicadas para o leitor que possui um tempo maior para apreciá-las.

É preciso pensar nos jornais impressos, na valorização do diploma, priorizar o conteúdo de qualidade e fazer com que a tecnologia esteja a favor do jornalimo. Sim, é preciso democratizar a informação e mantê-la como um instrumento histórico e registro de uma sociedade, mas também pensar na construção desta. Quem efetivamente constrói esta ferramenta de conhecimento, é o jornalista.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

A magia do piano



Guillaume Yann Tiersen. Conhece esse nome?
Provavelmente, já deve ter ouvido alguma composição sua, caso tenha visto "O Fabuloso Destino de Amélie Poulin" ou "Adeus, Lenin!". Considerado um músico versátil, de vanguarda, Tiersen é o que há mais expressivo em trilhas sonoras atualmente.
A bela animação, com o título "O piano" é embalada por uma música de Guillaume. Vale a pena conferir e sentir esta doce emoção.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Hair 40 anos


video

O musical Hair foi escrito por James Rado e Gerome Ragni, e estreiou com sucesso na Broadway. A peça conta a história de um grupo de jovens pacifistas que vive no East Village de Manhattan, protesta contra a guerra e pratica o amor livre.
Algumas de suas músicas, como "Let the sunshine In", "The Age of Aquarius", "I Got Life" ainda faziam parte em 2006 da lista das mais tocadas elaborada pela BBC. O álbum com a trilha sonora do filme, recebeu o maior prêmio da música internacional, o Grammy, em 1969.
Em 1979, "Hair" foi adaptada pelo diretor Milos Forman para o cinema.

sábado, 8 de agosto de 2009

Vamos ao teatro?



Confira abaixo a lista das peças da mostra competitiva que foram selecionadas para o Quarto Festival Nacional de Teatro de Juiz de Fora, que será realizado dos dias 31 de agosto a 7 de setembro de 2009.

"A Ver Estrelas" - Cia 3meia9 - Juiz de Fora/MG - Infanto-juvenil

"As Mulheres da Rua 23" - Cia de Teatro Autoral - Rio de Janeiro/RJ - Adulto

"A Invenção de Loren" - Cia Delas de Teatro - São Paulo/SP - Adulto

"Ciranda das Flores" - Cia Prosa dos Ventos - São Paulo/SP - Infantil

"Gandhi, um líder servidor" - Cia Teatral Aqjuna - São Paulo/SP - Adulto

"Pé de Bicho" - Cia Teatral Faunos - Joinville/SC - Adulto

"O Pássaro Azul" - Companhia Levante - São Caetano do Sul/SP - Infantil

"A Dama da Noite" - Confraria de Teatro nau dos Loucos - Nova Iguaçu/RJ - Adulto

"A Fabulosa Viagem de Duda e Lula em Busca da Irmã Perdida ou Cadê Kika?" - Grupo Caixa de Histórias - São José dos Campos/SP - Infantil

"E Nós Que Nem Sabemos" - Grupo Moinho - Ouro Preto/MG - Adulto

"Precisa-se de um Mané" - La Cascata Cia Cômica - São José dos Campos/SP - Infantil

"Spirulina em Spathódea" - Na Companhia Dos Anjos - São Paulo/SP - Infantil

"O Ovo Sapiens de Pina Bausch" - Ogawa Butoh Center - São Paulo/SP - Infantil

"Consummatum Est" - Os Ciclomáticos Cia de Teatro - Rio de Janeiro/RJ - Adulto

"La Mutante Varieté" - The Pambazos Bros - São Paulo/SP - Adulto


Faça a sua programação!

sábado, 1 de agosto de 2009

É do Brasil!


Corriere Della Sera - Itália
Revista Veja - Brasil



Le figaro - França
A vitória do nadador Cesar Cielo, é o destaque dos principais jornais do mundo.

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Diário de Anne Frank é incluído em lista de documentos importantes da Unesco


O diário de Anne Frank foi incluído na lista "Memória do Mundo" da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), que inclui arquivos e documentos de valor excepcional.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira (30) pelo organismo, junto com a incorporação de mais de 30 novos itens.

Desta forma, a lista "Memória do Mundo" chega a 193 incorporações, feitas desde 1997, segundo a Unesco.

Escrito por uma adolescente judia, o diário de Anne Frank --que se tornou um dos livros mais lidos do mundo -- narra a vida cotidiana na Holanda durante a Segunda Guerra Mundial, mostrando a repercussão da ocupação nazista.


Fonte: Folha de São Paulo

sábado, 25 de julho de 2009

O som da viola

20h, cortinas abertas. No palco, uma única cadeira e um microfone. Às 20:30, um homem tímido entra em cena acompanhado de sua viola. O público atento, observa aquele espaço de espetáculo no qual um violeiro se transformava. De repente, uma bela música é tocada com agilidade e talento e a platéia se rende ao encanto de "Paisagens" de Ivan Vilela.

Assim começou o quarto dia de apresentações do XX Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga, no Cine-Theatro Central, em Juiz de Fora. No dia 23 de julho, violoncelos, pianos e violinos, cederam espaço à viola caipira em um repertório que mesclava músicas do século XIX, modas de viola tradicionais e até o rock dos Beatles.

O concerto de Ivan Vilela homenageou Pereira da Viola, Chico Buarque, Flávio Venturini e contou muitos, muitos "causos" caipiras. Por meio destas histórias, o público conheceu a trajetória da viola, instrumento lusitano que era muito comum na época do descobrimento do Brasil e que passou a ser tradicional na zona rural e periferias do país, com o surgimento do violão e outros instrumentos.

Até Padre José de Anchieta entrou na roda de viola, com a catequização e a formação de um novo dialeto, o "Abá nhe'enga oiebyr", uma adaptação da língua tupi-guarani que abrangeu muitas regiões do Brasil até o momento em que o português se tornou a língua obrigatória no país. O dialeto então irraizou-se na cultura brasileira e está presente no sotaque do homem do campo até hoje.
Para público, esta foi uma viagem cultural inesquecível no tempo e no espaço.

terça-feira, 21 de julho de 2009

O menino do pijama listrado

No mesmo espaço onde meninos alemães brincam de braços abertos imitando asas de avião, voando abastecidos pela pureza da imaginação, passam caminhões abarrotados de pessoas estranhas com estrelas pregadas em suas roupas e soldados gritando: "Entrem! Entrem!".
É neste cenário que começa a história do filme "O menino do pijama listrado", baseado no livro homônimo escrito por John Boyne, que retrata a vida de Bruno, um menino sonhador e aventureiro, que se muda com família para um lugar aparentemente inóspito quando o seu pai é promovido e recebe uma patente mais alta dentro do exército alemão.
Morando em uma casa moderna e panóptica, cercada de militares ríspidos e cães farejadores, Bruno e sua irmã Gertel tentam se adaptar a vida entre os muros da residência, buscando atividades divertidas e maneiras diferentes de passar o tempo. Nesta ânsia exploratória por novos espaços para brincar, o menino vê da janela de seu quarto um enorme campo que passa a chamar de "fazenda" e descobre um caminho para chegar até lá. Escondido de todos, ele chega a um lugar cercado por arames no qual pessoas trabalhavam durante todo o dia vestidas com um pijama listrado, com números pregados no bolso da vestimenta e que ainda deveriam obedecer aos comandos de um apito, como se estivessem em um jogo.

Depois de muitas visitas, Bruno vê um menino do outro lado da cerca e faz com ele uma amizade proíbida. De um lado havia um pequeno alemão, filho de um militar nazista. Do outro, um menino chamado Shmul, de descedência judaica e filho de um relojoeiro judeu.

Confuso por ouvir opiniões fortes e contundentes sobre os judeus, o jovem alemão não sabe em que acreditar. Primeiro, ele recebe as idéias proferidas por seu professor particular que prega a história dos alemães como pessoas superiores às demais e os judeus como vermes ou seres insalúbres. Depois, o menino assiste o video institucional do exército alemão, que mostrava os campos de concentração como verdadeiras colônias de férias, cheias de frescor e entretenimento.

E por último, ele conhece um bom judeu que se torna seu amigo.

Diante de tantas verdades, ele prefere a sua. E desbrava "a sua fazenda" na companhia de Shmul que o empresta um pijama listrado e o pede que descubra onde está o seu pai, que havia sumido na noite anterior. O desafio foi aceito. Uma vez do outro lado, a verdade é descoberta por inteiro.

Não há beleza, não há comida, não há cor. Somente sujeira, dor, fumaça e gases tóxicos que o calam para o resto da vida na companhia de seu amigo.

Filmes sobre o Holocausto, 2ª Guerra Mundial e Nazismo são muitos e as abordagens diversas. Mas é interessante notar que este período é fértil em termos de composições para a ficção e dramaturgia sob o ponto de vista das interrelações entre os envolvidos nas histórias. No filme "O Leitor", há uma mulher que por não saber ler prefere assumir a culpa da morte de milhões de judeus para não ferir a sua dignidade. Em "A Vida é Bela", há uma visão mais doce, o pai judeu, diz ao filho que a realidade vivida por eles dentro do campo de concentração, é apenas um jogo que se encerrará em breve.

Há uma infinidade de obras cinematográficas a serem listadas, por último indicaria "A Lista de
Schindler". E claro "O menino do pijama listrado", que traz uma surpreendente história tocante, que faz com que até um militar alemão discípulo de Hitler, o comandante de Auschwitz, seja fragilizado e penalizado com uma perda, que sem dúvida é irreparável. É preciso perceber o crime cometido e toda humanidade que há al otro lado de rio.

domingo, 12 de julho de 2009

Governo Chávez pretende tirar 154 estações de rádio do ar na Venezuela


Depois dos canais de televisão, as rádios!



O governo de Hugo Chávez, presidente da Venezuela, continua a investir contra as empresas privadas de mídia. Na última quinta-feira (09/07), o ministro das Obras Públicas, Disodado Cabello, anunciou que o governo pretende tirar 154 estações de rádio FM do ar, passando o controle das emissoras para o setor público.

Cabello é um dos responsáveis pela vigilância da rádio e TV na Venezuela. Além das estações FM, o ministro anunciou o reforço no controle à televisão via cabo e satélite. Recentemente Cabello declarou o controle do governo sobre 86 estações de rádios AM.

Para Chávez e partidários, as ações do governo pretendem "democratizar" os meios de comunicação, num esforço para tornar o país uma sociedade socialista. Classificada pelo próprio governo como uma “guerra de mídia” contra as empresas privadas de mídia, em 2007 Chávez deixou de renovar a concessão da RCTV, emissora particular do país, que depois de quase dois meses fechada, agora é transmitida por canais de assinatura.


Fonte: Comunique-se


Faço minhas as palavras de Boris Casoy: "Isso é uma vergonha!".

sábado, 13 de junho de 2009

Perguntas

Diga aos jogadores que sou alguém que persiste em manter-se na mesma condição.

1- Posso ler loura
2- Gosto de vestir-me bem.
3- No século 18, eu tinha o hábito de ler romances que me enchiam a cabeça de fantasias.
4- Luísa, de o Primo Basílio, me representa muito bem.
5- Hoje, prefiro as novelas, não gosto de ler e me contento em sair na coluna social.
6- O meu casamento já foi decidido pela minha família.
7- Atualmente, escolho o marido que mais luxo possa me oferecer.
8- Não nasci para o trabalho.
9- Mas, acho que trabalhar não deve fazer mal.
10- Tenho tendência para o adultério, desde que ele seja cometido em lugares românticos.
11- Adoro Paris.

Adivinhou? Sou a burguesa.

Em tempos de crise, é difícil mesmo imaginar que eu ainda possa existir.

ESCREVE, Juliette. Perguntas. In:_____. Caderno Encontrare 3. Juiz de Fora, 2009.

O Rock Clichê

Suposições, meras suposições ou uma observação da sociedade? Juliette escreve os clichês do rock mais presentes na sua vida e que com certeza você já se acostumou com eles.

1) Passagem de som: Na passagem de som de um show, sempre dizem: "Alô som, testando!". Os mais religiosos falam: "JE-SUS" ao microfone. E os roqueiros guitarristas dedilham os primeiros acordes de "Smoke on the Water", do Deep Purple.

2) O violão clichê: Todo adolescente que começa o aprendizado de violão, sabe tocar Nirvana e não se cansa de "Come as you are". Legião Urbana também faz parte deste contexto. O jovem não sabe nem quem foi Renato Russo e muito menos o que está cantando, mas faz questão de decorar uma música de aproxidamente 9 minutos como "Faroeste e Cabloco", além de muitas outras canções que entram nas rodinhas de violão.

3) Capital Inicial e a osmose. Depois que lançou o seu cd Acústico Mtv, o Capital Inicial, ressurgiu das cinzas em 2001 e desde então, mesmo que lance outras novas canções, o grupo sempre deve trazer os hits do cd em todos os shows. De tanto tocar, não é preciso comprar ou baixar as músicas, basta ouvir, e quando você menos espera, a música já está inteira na sua mente.

4)Fazer ou não sentido! - Eis a questão do Capital Inicial, que ataca novamente. Com o sucesso "Natasha", milhões e milhões de pessoas dizem gostar desta música de refrão absolutamente brega. "Pneus de carros cantam Thuru, Thuru, Thuru, Thuru", entre outros versos, que fazem com que a reflexão fique longe, provalmente em um "quarto tão profundo', quanto o do Jota Quest.

5) Pseudo-roqueiros - Qual é a atitude enrustida em um All Star? Colocá-lo significa ser alternativo? Pois é o que muitos pensam. Um jogo de signos, uma busca de identidades, de pertencimento a um grupo. Estilo? Talvez. Mas existem outras marcas de tênis que poderiam ser tão esteriotipadas quanto All Star?

6) Tom de desafio - Na preguiça de procurar uma música bacana no rico repertório musical mundial, os programas de televisão ao desafiarem os artistas, modelos, atrizes e desempregados(mulheres de cantores, ex-bbb´s, pessoas a espera de um contato) em atividades radicais (como pular de Asa Delta da Pedra da Gávea) sempre colocam o tema de Missão Impossível 2, do Limp Bizkit.

7) Van Halen e a Sessão da Tarde - Quem nunca assistiu a uma chamada da Sessão da Tarde com uma musiquinha do Van Halen ao fundo? "Jump" é o exemplo clássico!

Vamos reunir aqui, o que há de mais clichê neste meio. Exercite a sua memória! Com certeza você vai lembrar de mais alguns ítens para esta lista!

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Tin Tin e a autonomia de existência

Quando algo é autonomo de existência, assim é porque transcende as barreiras das oscilações do gosto e atinge um patamar que lhe é próprio, singular e reconhecido pelas diversidades de pensamento. Tin Tin, personagem do quadrinista Hergé, é assim. O famoso jornalista investigativo, de traços leves e finos, quase um menino, que acompanhado de seu cão Milou embarca em aventuras inimagináveis, ganhou nesta semana um museu em Bruxelas.

Na verdade, o museu leva o nome do criador do personagem, mas já foi apelidado como "Le nouveau musée Tin Tin". Novo, porque na Bélgica já existia o "Centre Belge de la Bande Dessinée" - Centro Belga de História em Quadrinhos, e como o filho ficcional mais ilustre do país é o jovem comunicador de topete ruivo, o espaço também era referênciado como o Museu Tin Tin.

A abertura oficial será no dia 2 de junho. Antes desta data, o museu foi aberto para jornalistas e assessores, para a divulgação do local. Muitos sairam de lá decepcionados, não pelo conteúdo do Museu Hergé, que tem um acervo dividido em oito cômodos, ainda em dois andares, mas pelo fato de que lá dentro não se pode filmar e fotografar em função de que parte do que está exposto é original e precisa ser preservado. Obviamente, pensaram que por ser um museu "praticamente" dedicado a um colega de profissão, estes também obteriam regalias.

Com polêmicas ou não, o museu tornou-se realidade, com um projeto que se assemelha a uma página de quadrinhos, idealizado pela viúva de Hergé (1907-1983), Fanny Rodwell e pelo arquiteto francês Christian de Portzamparc.

Tin Tin, no cinema - Com estréia prevista para 2010, "As aventuras de Tin Tin: O Segredo do Unicórnio", é o primeiro de uma trilogia que será dirigida e produzida para as telonas em uma parceria de Steven Spilberg e Peter Jackson, respectivamente. O projeto é realizado pela Paramount Pictures e a Sony. O segundo filme sairá em 2011.

Para quem quiser se contextualizar neste universo, a dica é ler os quadrinhos ou assistir aos desenhos com algumas aventuras vividas por este rico personagem que mantém-se em ação nas mais diversas manifestações culturais, sejam elas impressas, audiovisuais ou museológicas!

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Os clássicos dos clássicos, literalmente...

2009, é o ano dos remakes de Hollywood. 20 filmes dos anos 80, serão relançados neste ano, nos Estados Unidos e no Brasil até 2010 . Na lista de clássicos, podemos pinçar Karatê Kid que contará com Jaden Smith (o filho de Will Smith), como um dos três protagonistas mirins do filme.
Para matar ainda mais a saudade, os fãs dos clássicos poderão assistir nas telonas uma nova versão de "Ghostbusters". O escritor e ator das duas primeiras versões, Harold Hamis, anunciou que retomará os serviços de caçada aos fantasmas, com os mesmos atores do filme original, Bill Murray e Dan Aykroyd. Em parceria com a Warner, Leonardo Di Caprio, começará também neste ano a produzir uma nova versão para "A História sem fim".

Depois de adaptações literárias, histórias em quadrinhos e séries de televisão, chegou a vez do cinema inspirar-se na década de 80. Com o uso de novos aparatos tecnológicos, novos atores e direções diversas, os filmes podem englobar um público diferente ou até provocar as inevitáveis comparações com as primeiras versões. Mas a contribuição deste período poderá ser até maior, caso os realizadores destas produções também quiserem aproveitar este fértil decênio musical, nas trilhas sonoras.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

O desaparecimento de Dali

Dali, o Salvador do Surrealismo desapareceu há 20 anos. Assim como no teatro, no qual as cortinas se fecham para um ator que deixa os palcos para sempre, na pintura, desaparecer é a metáfora do fim da vida.

O pintor catalão, pai de relógios, de seres quadrados, de inspirações renascentistas, traços árabes, figuras oníricas que flertam com a psicologia no entendimento do subconsciente, também fez esculturas e contribuiu para o cinema, teatro e literatura. Conheceu Federico Garcia Lorca, Pablo Picasso, Alfred Hitchcok, Juan Miró e Luiz Buñel, este último parceiro de direção no filme "O Cão Andaluz".

Surpreendemente multifacetado, Salvador Dali também fez design de embalagens para perfumes, estampas de tecidos e trabalhou na produção de um desenho para a Walt Disney.

A maior parte das obras do artista estão no Teatro-museu Dali, na Catalunha, no qual o pintor foi diretor e pessoalmente escolheu as peças expostas, além da decisão sobre quais artistas ocupariam algumas galerias do lugar. Reformado após a Guerra Civil Espanhola, o espaço abriga o mobiliário do pintor, diversas peças produzidas por ele e também é o local onde repousa o corpo de Dali.

Neste mês, no Espaço Dali em Paris, pode-se conferir a exposição "Dali no Trabalho", na qual a rotina de trabalho do pintor é mostrada por mais de cem fotografias tiradas desde 1950, que refletem como a maneira lúdica de expor ideias e de jogar com elas, poderia contribuir para o processo criativo de Dali. A exposição temporária, em homenagem às duas décadas de "desaparecimento" do pai do surrealismo, reune imagens reveladoras e intimistas que foram tiradas por Robert Descharnes, que é amigo do mestre catalão.

Atualmente, a influência direta do surrealismo de Dali, mantém-se viva pelas mãos do filho dele, Roy Dali, que guarda a semelhança com pai não só na profissão, como também na aparência de bigodes finos e retorcidos. O pai criou relógios derretidos buscando simbolizar a expansão do tempo e a imortalidade do artista, o filho criou sorvetes sólidos para mostrar que as coisas são eternas pela rigidez delas, seriam portanto duráveis.

Para Roy, o seu genitor tinha uma missão na Terra. Mesmo sendo alguém de personalidade explosiva, ele conseguiu deixar o seu sinal por aqui e por isso é lembrado até hoje.

E que o sinal de Dali seja perpetuado, expandido e solidificado para além das fronteiras, para residirem na "existência" do subsconsciente...

sexta-feira, 8 de maio de 2009

O barquinho

Dia de luz, festa de sol
E o barquinho a deslizar
No macio azul do mar
Tudo é verão, o amor se faz
Num barquinho pelo mar
Desliza sem parar...
Sem intenção, nossa canção
Vai saindo desse mar e o sol
Beija o barco e luz
Dias tão azuis
Beija o barco e luz
Dias tão azuis
Volta do mar, desmaia o sol
E o barquinho a deslizar
E a vontade é de cantar
Céu tão azul, ilhas do sul
O barquinho é o coração
Deslizando na canção
Tudo isso é paz, tudo isso traz
Uma calma de verão
E então
O barquinho vai, a tardinha cai
O barquinho vai, a tardinha cai...

Ronaldo Boscoli

sábado, 2 de maio de 2009

A primeira vez...

2 de maio de 1870
A ópera "O Guarani", de Carlos Gomes, foi apresentada pela primeira vez. A estréia ocorreu no Teatro Alla Sacla (Itália).

3 de maio de 1933
As mulheres brasileiras foram às urnas pela primeira vez na história do país em uma eleição para a Assembléia Nacional Constituinte.

4 de maio de 1959
Foram anunciados os vencedores da primeira edição do prêmio Grammy, o mais importante da indústria fonográfica. Entre os ganhadores estavam Henry Mancini e Ella Fitzgerald. Também neste dia, em 1979 Margareth Tatcher tornou-se a primeira mulher a ocupar o cargo de "primeiro-ministro" na Inglaterra.

5 de maio de 1961
Alan Shepard Jr. se tornou o primeiro americano a ir ao espaço, a bordo da Freedom 7. O vôo sub-orbital durou 15 minutos.
6 de maio de 1994
Foi inaugurado o Eurotúnel que liga a Inglaterra à França.

7 de maio de 1995
Jacques Chirac ganhou as eleições para a presidência da França. Depois de 14 anos, foi a primeira vitória de um conservador nas urnas.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Caderno Encontrare

O Caderno Encontrare chega a sua 3ª edição para reafirmar a proposta de divulgar novos escritores e artistas.

De acordo com a crescente demanda de autores com vontade de publicar seus materiais, o caderno literário Encontrare busca dar visibilidade e voz para esses artistas. Com a difícil publicação em outros veículos e baixa adesão do mercado aos novos literatos o caderno, com dois números já lançados, visa à propagação da cultura. Não se fechando em regionalismos, divulgando autores de Juiz de Fora, Muriaé, São Paulo e tantos quantos forem os interessados em diversas regiões.

Como o principal ideal é o de divulgação e propagação de literatura, há a diferença de diagramação com a possibilidade do picote de suas páginas. Assim, o leitor tem a oportunidade de repassar os textos a quem quiser se tornando um segundo veículo propagador. Diferente de outros veículos, o caderno editado em formato de bloco, traz a praticidade de um livro de bolso, sendo cômodo e de fácil manuseio.

Fonte: Acessa.com

Passe essa ideia a diante!

Para participar do caderno e do sarau literário, basta mandar um e-mail para: cadernoencontrare@gmail.com

sexta-feira, 24 de abril de 2009

O cinema dos presidentes

Depois de muitas adaptações literárias, os cinéfilos de plantão poderão conhecer um pouco mais da vida dos presidentes contemporâneos.

"W.", tem a direção de Oliver Stone e retrata a história do polêmico George W. Bush com detalhes, desde a relação conturbada com o pai, passando pela fase universitária até a invasão do Iraque. O filme que começou a ser exibido neste mês no Brasil, estreiou nos Estados Unidos três semanas antes dos americanos irem às urnas nas eleições que escolheram Barack Obama como o novo "rei do mundo".

Os brasileiros também podem esperar por um representante na telona. Com estreia prevista para 2010, ano em que haverá a sucessão presidencial, o filme "Lula, o filho do Brasil", traz Glória Pires no papel de dona Lindu, mãe de Lula e conta a trajetória de Luís Inácio Lula da Silva desde o nascimento até a presidência.

As datas escolhidas para as estreias dos filmes são bastante estratégicas, mas isso não significa que são um critério para colaborar para a candidatura dos "sucessores" indicados pelos protagonistas. Afinal, para o ex-presidente "W.", isso não deu muito certo.

sábado, 11 de abril de 2009

A hora e a vez do leite...

Não é que as vacas tenham ido para o brejo, mas recentemente a palavra leite está mais em evidência na mídia. Pense bem: o Troféu Imprensa concedido aos melhores artistas de 2008, premiou a cantora Cláudia Leite. Já o Oscar 2009 de melhor ator, foi para Sean Penn por seu papel no filme “Milk”.

Até Chico Buarque, cedeu aos encantos de tão rica bebida láctea. Chegou às livrarias neste mês, o mais novo livro deste multifacetado escritor. O nome da obra? “Leite Derramado”. O autor da novela “Fazenda Modelo”, narra em seu quarto romance uma história que atravessa os séculos e mostra a decadência da elite brasileira. O primeiro capítulo encontra-se disponível no site da Companhia das Letras, editora responsável pela publicação.

E o Hemp Milk? Você conhece? Feito à partir da Cannabis sativa L., a planta da maconha, este leite apresenta os sabores: Natural e Baunilha. De acordo com o gerente de uma loja de produtos naturais nos E.U.A em entrevista à Folha de São Paulo, este produto tem "saído tão bem quanto o leite de soja". Tudo indica que deste leite ainda renderão alguns derivados. A empresa que o fabrica, vai lançar nos próximos meses, o sorvete Tempt. O grande impasse desta história, é que o cultivo da maconha é considerado ilegal na terra do Tio Sam e por isso, a exportação da matéria-prima é feita diretamente do Canadá, onde não há restrições. Imagina se essa moda chega ao Brasil? Em meio à muitas discussões, acredito que Fernando Gabeira levantaria a bandeira do novo negócio leiteiro.

Por falar em políticos do país, neste final de semana foi divulgada mais uma lista de equivocadas interpretações do relatório final da operação Satiagraha. O famoso delegado Protógenes Queiroz, reproduziu conversas telefônicas da "futura presidente" e atual ministra da casa civil, Dilma Roussef que fariam parte de uma reunião sobre "Leite Longa Vida". Para o delegado, este tema seria na verdade uma espécie de código para falar de outras coisas. E não era nada disso! Dilma, realmente falou sobre o leite e foi mais além, abordou os aspectos da crise que ocorreu após flagrantes de adulteração do produto no ano passado.

E como o leite rende hein?

Hemp Milk

sábado, 4 de abril de 2009

Encontros às avessas...

O Encontro do G20 (Grupo dos Países Desenvolvidos e em desenvolvimento), foi marcado por discussões políticas sérias e pertinentes à atual situação de crise mundial, mas não foi só isso. É o primeiro encontro do Grupo em que o grande líder mundial, Barack Obama, participa como presidente dos USA.

Além disso, Barack é alvo de elogios, votos de esperança e de promessas. No entanto, nesta reunião de lideranças, ao encontrar com o presidente Luis Inácio Lula da Silva, ele disse: "Ele é o cara!". No desenrolar da conversa o americano ainda disse que o nosso Lulinha era o presidente mais popular no mundo!

Falando em popularidade, a cozinha do G20 também contou com um toque de glamour do chef da Tv Jamie Oliver que preparou a pedido do primeiro-ministro da Inglaterra, Gordon Brown, um cardápio com ingredientes de várias partes do país.
Obamas´s em ação - Elizabeth II fez um gesto para cumprimentar o casal Obama. A primeira-dama Michele, achou o momento bastante oportuno e deu um abraço na rainha sem saber que este ato é proibido para os que se aproximam da soberana de Buckingham. Também durante o encontro, o presidente Obama ousou ao presentear a Rainha Elizabeth II com um Ipod personalizado com fotos da visita dela à Washington.

Reunião da Otan

A Europa também foi palco de outra reunião importante nessa semana, a da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), na qual chefes de Estado e suas primeiras-damas desfilaram pelo tapete vermelho rumo à tentativas apelativas de carima,"amizade" e pequenas gafes.

Michele Obama, mulher de Barack, presenteou Carla Bruni, primeira-dama da França(casada com Nicolas Sarozy) com um violão acústico Gibson. Um detalhe: Carla além de modelo, é cantora e prepara seu quarto cd. Queria Michele, uma pontinha de participação?

Quase todas as lideranças mundiais foram recebidas por Angela Merkel, chanceler alemã, no ínicio da cúpula do evento. Silvio Berlusconi, primeiro-ministro italiano não foi recepcionado. Ele cometeu a proeza de atrasar-se e ainda virar de costas para a anfitriã que o esperava porque foi atender a um telefonema do primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip, que se opusera a indicação de Anders Fogh Rasmussen, para secretário-geral da Otan.

Diante de situações consideradas "ousadas" para autoridades, será preciso elaborar uma nova regra de etiqueta protocolar, incluindo novos artigos.

Obama´s em ação!

terça-feira, 31 de março de 2009

Le pianist

Talento aplaudido de pé

Leonardo Toledo
Repórter

Os acordes ouvidos no início das manhãs e nos finais de tarde na nova unidade do Hospital Monte Sinai vem dos dedos ágeis de um jovem talento da música, o pianista Tiago Martins Bastos, de 25 anos. Atraídas (ou distraídas) pela interpretação de sucessos da MPB, as pessoas que aguardam no hall olham com aprovação para o jovem, sentado em um piano de cauda na recepção do hospital. Alguns arriscam um aplauso mudo ao final de alguma música preferida. Outros, menos tímidos, interrompem o pianista e pedem para tirar uma foto.

O que esses ouvintes casuais não sabem é que, no último dia 15, esse mesmo pianista era aplaudido de pé no auditório do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, no projeto Música no Museu, maior série de concertos de música erudita em atividade no Brasil atualmente. O pianista foi ovacionado em “cena aberta”, depois de interpretar um improviso de Schubert. “Fiquei assustado, porque achei que eles estavam aplaudindo para encerrar a apresentação. Mas não era isso. Eu estava agradando em cheio”, conta Tiago.

Aprendizado - O aprendizado da música começou em família, aos 8 anos, quando Tiago começou a estudar flauta com a tia. Aos 11, ele passou a ter aulas de piano no Conservatório Estadual Haidée França Americano. Depois de uma breve lacuna de tempo, em que se dedicou a outros interesses, o jovem conheceu o professor Benito Taranto, que, avisado sobre o talento do rapaz, o convidou para um teste informal. O desempenho de Tiago, segundo Benito, superou todas as expectativas. “Durante nossa primeira conversa, ele já me despertou uma certa perspectiva. Percebi que o repertório ainda estava muito aquém do potencial dele”, conta.

O professor, então, viu que era hora de iniciar uma nova fase na carreira de Tiago, em que a técnica pudesse ser aprimorada em serviço da expressividade do jovem pianista. “Quando se está em uma escola regular, há um programa a seguir. Em nome disso, nem sempre o talento pode ser aproveitado em todo o seu potencial”, avalia Benito.

A professora de piano Wanda Lantelme Silva acompanha a evolução de Tiago e elogia a humildade do rapaz ao entender que a evolução de um músico não acontece do dia para noite, mas por meio de um processo longo e contínuo. “Não basta que o pianista seja talentoso, ele precisa ter técnica, e, sobretudo, ter a compreensão para casar esses elementos”, opina.

Sem piano em casa - O elogiado desempenho de Tiago não é mérito apenas de seu talento natural, mas de seu esforço em lutar contra a falta de tempo para conseguir praticar. Até o ano passado, quando concluiu a faculdade de Ciências Biológicos, a agenda tinha que ser dividida entre o piano, as aulas e os estágios. Essa rotina tornou-se ainda mais difícil pelo fato de o rapaz não ter um piano em casa.

O empecilho continua, mesmo depois da formatura. Para estudar, é necessário que Tiago espere os intervalos das aulas no conservatório. “O piano erudito exige muito, e a prática diária é fundamental. Sem um piano, fica difícil de me dedicar, porque além de esperar a disponibilidade de um instrumento, perco tempo no deslocamento até o conservatório”, diz o rapaz.

Tribuna de Minas - 31/3/2009

quinta-feira, 26 de março de 2009

Polêmicas à parte

O mundo das celebridades é sempre cheio de novidades. Novidades batidas, é verdade. Mas sempre atraem aqueles que buscam um assunto para dizer entre os amigos, enquanto fazem hora no cabelereiro e diversas outras situações em que saber o nome da filha da Madona, pode salvar um momento tedioso de falta de assunto ou demonstrar o quanto você anda antenado sobre as coisas.

Amy Winehouse é o alvo da vez. Depois de uma verdadeira "rehab" no Caribe, a cantora voltou os holofotes da fama para si, ao mudar o seu estilo demonstrando uma tendência carregada de reggae em seu terceiro cd que contém letras demasiadamente depressivas e alusivas ao seu marido Blake Fielder-Civi. A Island Records rejeitou as gravações e pediu que Amy fizesse novas composições, condizentes com o que se espera dela.

Como se não bastasse, aqui no Brasil, o famoso líder religioso Inri Cristo embarcou no sucesso de Amy e divulgou nesta semana no You Tube, um vídeo(http://www.youtube.com/watch?v=08ePuM7NEvk) no qual faz uma versão da música "Rehab" com direito a "Inrizetes" vestidas de túnicas verdes e com penteados topetudos inspirados no estilo de Winehouse. Só para ter uma idéia, as seguidoras deste que acredita ser a reencarnação de Jesus Cristo, cantam o seguinte refrão: "O Inri é Cristo e você só quer dizer não, não, não...".

Com esta ação, Inri também se promoveu é claro. Mas a promoção pessoal é o que guia esta crença. Com objetivos ideológicos, religiosos, alienantes à seu modo, na religião dele há até um novo pai nosso, que é anunciado como a "Revelação de DEUS a INRI CRISTO", de acordo com site do "profeta". (http://www.inricristo.org.br)

Quando a falta de assunto bater na porta, conte a todos que a mistura de Amy e Inri dá samba, ou melhor soul, reggae.Enfim...dá música. E polêmicas também!

quarta-feira, 18 de março de 2009

Contatos poéticos

I
A poesia é algo que está presente em nossas vidas, basta um pouco mais de sensibilidade para combinarmos os elementos certos e criarmos a química dos versos.
Bem antes de estudar Manoel Bandeira, João Cabral de Melo Neto e Camões, conheci Elisa Lucinda.
Escritora e poetisa que recita seus próprios versos com uma dor que parece ter deveramente sentido.
Quando a vi recitando alguns poemas, acreditei no verdadeiro valor da poesia e o quanto isto pode também nos causar emoções. Diante de mim havia um eu-lírico presente, vivo com lágrimas, dores, indignação, revolta, calores e sensações.
Poetisa singular, Elisa é um sopro de talento e originalidade no cenário literário nacional.

- Recomendo a leitura do "Aviso da Lua que menstrua" - um convite ao entendimento de uma fase do universo feminino. (http://www.revista.agulha.nom.br/elisalucinda1.html#aviso)

II
Certa vez, pelas minhas andanças, encontrei no Centro de Estudos Murilos Mendes uma senhorinha calma e serena, que estava a contemplar diversos quadros e fotos, do acervo que pertenceu a ela e o marido. Quando me aproximei dela, uma mulher disse-lhe:"Mãe, querem tirar uma foto com você". E afinal de contas, quem era esta senhora?
Maria da Saudade Cortesão Mendes, viúva do poeta Murilo Mendes. Como eu era criança, sabia apenas que esta deveria ser uma testemunha ocular da história, a dona de tudo o que eu via e inocentemente a pedi um autógrafo. E ela deu.
Com o tempo, descobri o que aquele acervo significava e passei a ler um pouco da poética muriliana que é parte juizforana, parte italiana. Uma obra do mundo...

A dica? Leiam "A Idade do Serrote", um livro autobiográfico, que traz as memórias de Murilo.

III
Poesias são muito bem vindas no Juliette escreve.

sábado, 14 de março de 2009

Lá vem o Chavez, Chavez, Chavez..

Lá vem o Chavez...

Uma historinha bem desgostosa de se ver. Assim temos acompanhado a trajetória de governo do "ditador" venezuelano Hugo Chavez. A última façanha aprontada por ele, foi proibir a exibição da exposição "Corpos: real e fascinante", que já rodou o mundo inteiro e que conta com 16 corpos e 225 órgãos verdadeiros conservados pela técnica de polimerização, que permite plastificar e dissecar as partes do corpo humano.

A alegação do presidente é a de que as peças são o “reflexo da decomposição moral do mundo”.

Decomposição moral?

Chavez entre outras coisas, cortou o sinal da RCTV, o mais antigo canal da Venezuela com a finalidade de tornando-o público e utilizando-o ao seu favor. Para Chavez, o fim das transmissões seria um combate ao "capitalismo e à ditadura da mídia".

Ditadura da mídia?

Atitude contraditória talvez, pois o anúncio da proibição da exposição foi proferido no programa que Chavez tem na televisão.

Em referendo popular foi votado que o "coronel-presidente" poderá se candidatar às eleições de 2012. A saúde da democracia venezuelana está frágil. O resquício de esperança de que o povo possa ter uma mínima participação tende a ser extinto.

Enquanto isso, a liberdade de expressão, de arte, cultura, mídia e tudo mais ficam guardados no "Mundo Chavista das Pseudo-maravilhas", onde nem a realidade corporal e biológica interna podem ser vistos e medicina se faz sem classificações, na base mais radical.

terça-feira, 10 de março de 2009

Pérolas populares

Observando a televisão e as celebridades brasileiras é interessante notar que as pessoas gostam de coisas bregas e sem sentido. Cantam refrões que nada querem dizer e se sentem comovidas com histórias de vida de seres que ascenderam de uma hora para outra, sem esforço nenhum.

O que dizer das propagandas esteriopadas então?

Esta sensação de falta de definição para o que você está vendo e ouvindo, acrescida a uma reação de desaprovação pode ser chamada de "vergonha alheia".

Juliette escreve hoje uma pequena lista de "vergonha alheia" às pessoas e artigos midiáticos:

1) Sandy - "O que é imortal não morre no final!"- Refrão da música Imortal.
Jura? Me admira uma bacharel em letras cometendo tamanha redundância...
2) Amado Batista - "O meu endereço tá na internet, clique para Amado arroba.com" - Música Amado@.com- dispensa comentários!

3) Menina da propaganda do ProUni - "Medicina pra mim é como um sacerdócio(...)A gente tem que aproveitar as oportunidades. Se joga!"
Muita emoção, muita choradera, muita exibição. A comoção se tornou banal. Não sei se ela é atriz ou a história é verdadeira...

4) Mirla(Big Brother 9) - "Quem faz jóias é o ourífero".
Eu sempre achei que fosse o ourives...

5) Carla Perez e Lázaro Ramos no filme "Cinderela Baiana" - Sim, a Cinderela é Carla Perez.

6) Ana Maria Braga - "Vocês tem que viver enquanto estão vivos" - em sua mensagem matinal aos espectadores do Mais Você...

As pérolas são incontáveis. E a "vergonha ao próximo" só aumenta.

quinta-feira, 5 de março de 2009

Chá no calor, s´il vous plaît!

Tenho acompanhado alguns blogs e percebo que o calor é um fator de inspiração para muitos escritores. Talvez não só a alta temperatura, mas o retorno da vida normal pós-carnaval.
Enfretando 36º nos termômetros, chego a desistir de debruçar-me na frente do computador para enfim escrever. Embora, este texto seja um tanto quanto lamentativo, espero que os leitores entendam que este é um lapso de compartilhamento de dados sobre o que passo e que me impedem de elaborar postagens mais complexas!

Usar preto, vestir-me com roupas escuras, becas e afins fizeram-me buscar outros recursos para encarar o verão inacabado.
Apresento-lhes o chá gelado e ainda sucos, muitos sucos naturais!
Nada díficil de fazer, com ingredientes saborosos e opções encontradas em qualquer lugar!
Com a proximidade do final de semana, pegar um cineminha com uma sala que tenha ar-condicionado, pode ser o programa.
E juntassemos tudo?
Hum...bem melhor!

segunda-feira, 2 de março de 2009

Lili Carabina


Lili Carabina. Este nome poderia batizar artisticamente uma dançarina, uma chacrete ou até mesmo uma personagem de novela, destas que marcam uma atriz por sua representação caricata.

Em meus guardados memoriais, encontrei este nome que me pareceu familiar. Durante o carnaval, relembrando as peripécias da infância, meu primo me contou que quando éramos pequenos, resolvemos brincar de "mímicas de filme" e o que era para ser adivinhado como "O milagre da Rua 34" ou coisa parecida, foi pronunciado por mim "Lili Carabina".
Não me lembro como este nome me veio a mente e muito menos como naquela época eu poderia saber um nome destes. Lili Carabina, era o nome de guerra usado por Djanir Suzano, assaltante famosa entre os anos 60 e 70, que se vestia de forma atraente para distrair a segurança e contribuir para ação dos seus companheiros de crime.

Lili cometeu seu primeiro crime aos 20 anos para vingar a morte de seu marido Jorge, que era traficante. Os assassinos retornaram ao local para buscar as armas e foram mortos por Carabina.

Apesar do codinome Carabina, Djanir sequer tocava neste tipo de arma nos assaltos. O nome era um atrativo a mais para o mundo do crime, assim como "O Bandido da Luz Vermelha", "Chico Picadinho", "Elias Maluco" e muitos outros com nomes nada normais.

Dizem que o crime não compensa. Para os praticantes desta atividade isto depende do ponto de vista. Djanir foi tema do filme "Lili - a estrela do crime", protagonizado por Beth Faria. Se Lili aspirava sair do anonimato para se tornar uma lenda, conseguiu.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

And the oscar goes to...

Esqueceram de mim.
Estranhou o fato deste filme se encontrar entre os favoritos de 2009? Compreensível, mas não impossível. Se vamos ter um Oscar póstumo, por que não uma homenagem ao filme que embala a Sessão da Tarde?

A verdade é que nos intervalos das escolas de samba do grupo especial do Rio de Janeiro, serão divulgados os resultados dos vencedores do maior prêmio do cinema. Para os telespectadores de canais abertos e sem antenas isso significa espera.

A transmissão da cerimônia é algo muito interessante, divertido, com comentários e todo o glamour que a Academia de Artes e Ciências exerce sobre o mundo cinematográfico. O tapete vermelho se estende a uma série de profissionais que se destacaram ao longo do ano anterior.

Então, pelos votos da academia dos cinéfilos e telespectadores brasileiros, voto em "Esqueceram de mim",(ou de todos nós)...
Enquanto o Rubens Ewald Filho trabalha...
o José Wilker descansa no carnaval...
Caso você leitor queira saber quem são os candidatos e acompanhar cada momento a sua maneira, aí vai a tabela oficial do Oscar.
--------
Extra! - 23/2/2009
Lista dos vencedores...

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Diga-me o que ouves, que eu te direi quem és..

O Brasil é composto por uma mistura de sons. Cada estado tem a sua marca musical e uma maneira diferente de expressar a sua cultura. Mas, alguns destes artistas regionais conseguem um certo destaque na mídia, ficam famosos, tornam-se os verdadeiros representantes do ritmo que cantam e quando ficam milionários desenvolvem trabalhos sociais, para mostrar que podem ser um exemplo para os fãs ou agradar a crítica.

Do Estado Pará, surgiu a banda Calypso formada pela cantora Joelma e por seu marido, o guitarrista Chimbinha. Entre os principais hits da banda estão: "A lua me traiu", "Dançando Calypso" (aquela do "Cavalo Manco, agora eu vou te ensinar") e "Doce Mel". Com letras "demasiadamente" profundas, uma voz de gralha e roupas ultra-vanguardistas(cortes e babados de chita e estampas sem descrição), a banda alcançou até o público internacional. O casal calypso assina a trilha sonora de um filme que vai ser lançado ainda neste ano. Detalhe, a cantora fez as versões das músicas da banda para o inglês!

Mas o grande feito do casal está longe de ser as milhões de cópias vendidas. Eles foram indicados ao prêmio Nobel da Paz pelo trabalho que desenvolvem em campanhas de doação e geração de empregos. Eles foram indicados pela Ong Comitê da Paz, que tem o direito de indicação ao prêmio.
Em 2008, o prêmio foi concedido ao antigo presidente finlandês Martti Ahtisaari por suas mediações de paz em territórios em conflito em todo mundo. Uma verdadeira contribuição necessária e representativa a humanidade não é?

Quando se fala do Brasil sobre o aspecto da desigualdade e a falta de incentivo à educação e cultura, duas frases não saem do repertório popular: "Os brasileiros precisam de exemplo" e "O Brasil não é um país de leitores em função do baixo indice de escolaridade". Ou como dizem os artistas, não como essas palavras, mas 'mais ou menos assim'...

E o que dizer quando a Rainha do Axé Brasileiro revela em cadeia nacional que não gosta de ler?
Ivete Sangalo em entrevista a Evaristo Costa, para o Jornal Hoje de segunda-feira(16) disse: “Passo meus dias assistindo a filmes. Eu não gosto de ler porque não me concentro.”

Vamos pensar. Que tipo de filme ela vê? Será que é com legenda?
Se eles chegaram ao patamar onde estão é porque o público os ajudou. E se os fãs se espelham em seus ídolos, well...
Para bom entendor, meia palavra basta...

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Bela e confusa mídia comparada à moda de Darwin

Quando estiver à toa, sugiro que faça um pequeno e simples exercício em qualquer banca de jornal. Comece a olhar para as capas de revista, analise-as,observando os conteúdos que elas oferecem. Cada uma tem a sua particularidade e a sua maneira de chamar a atenção do leitor.
Nesta semana, o naturalista britânico Charles Darwin é assunto de séries de reportagens,especiais e matérias diversas.
A Revista Época publicou o especial: "Darwin 200 anos - novas pesquisas genéticas revelam os erros do maior cientista do século XIX". Já a Revista Veja, fez uso da seguinte chamada: "Uma guerra de 150 anos. Por que Charles Darwin não conseguiu expulsar Adão e Eva do paraíso?".

Admiro o trabalho de Darwin, tive a oportunidade de estudá-lo nas aulas de biologia, mas nunca soube precisamente a sua data de nascimento e nem o período em que desenvolveu a sua teoria.
Ao olhar as capas das revistas, uma dúvida apareceu em minha mente. Então Darwin fez 200 ou 150 anos? Qual das duas revistas é a correta?

No final das contas, não comprei nenhuma das duas. A discordância e a falta de credibilidade entre os anos ali escritos, me fizeram pesquisar sobre o assunto e buscar outras maneiras de entender o caso Darwin.
A verdade é que ambas estão certas. As comemorações giram em torno dos 200 anos de Darwin, completados no dia 12 de fevereiro. Mas, há 150 anos, o pesquisador publicou o livro "A origem das espécies", no qual ele propõe que os organismos vivos evoluem gradualmente por meio da seleção natural.

O site de buscas Google homenageia o naturalista hoje, remetendo a uma das grandes descobertas feitas por ele em viagem às Ilhas Galápagos. Na logomarca colorida da empresa, estão pousadas as quatro espécies de tentilhões encontradas no local. Os tentilhões são pássaros pequenos, mas muito parecidos entre si, que evoluiram e adaptaram-se. Estão representados o tentilhão-vegetariano das árvores (adptado a comer brotos, folhas e frutos), o tentilhão-insetívoro-das-árvores (come insetos e os tecidos lenhosos das plantas), tentilhão pica-pau, tentilhão-canoro(vasculha folhas e arbustos em busca de insetos) e o tentilhão-do-solo.
Além de reconhecer estas diferentes abordagens sobre o mesmo tema, é interessante também questionar a perenidade das teorias darwinianas e como elas prosseguem atualmente.
A ronda midiática pode oferecer estas respostas com mais conhecimento.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

O pianista de Hamelin

Uma proposta diferente. Tocar piano para realizar o controle biológico de pragas em uma cidade enfestada delas. O plano perfeito para quem desejava conciliar as pesquisas celulares e a música.
Dizem, que todas as pessoas tem um dom e que se ainda não apareceu nenhum é porque ainda não foi descoberto.
O pianista sabia qual era o seu, mas estava dividido entre a acedemia, o prazer e fazer o que realmente queria.
Não havia um concerto que ele fizesse que não era ovacionado e com críticas sempre positivas.
O que faltava para dar o próximo passo? Crescer, amadurecer e reconhecer que é impossível viver sem arte e sem notas musicais.

O equilíbrio pode não ser o bastante...

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Semana cinematográfica

3 de fevereiro de 1945
Neste dia, foi realizada a estréia do filme “Você já foi à Bahia”, com o primeiro personagem brasileiro de Walt Disney, o Zé Carioca.

4 de fevereiro de 1986
O presidente José Sarney proibiu a exibição em todo o país do filme “Je vous salue Marie”, que contava a história da Virgem Maria como uma mulher da atualidade.

5 de fevereiro de 1937
Foi lançado o filme Tempos modernos, de Charlie Chaplin. Nesse filme o ator pronunciou suas primeiras palavras no cinema.

6 de fevereiro de 1928
Uma mulher que dizia ser Anastácia Chaikovisky, filha do czar russo assassinado, chegou aos Estados Unidos, dizendo ter sido salva por um soldado britânico. O filme Anastácia, a princesa esquecida, de 1958, foi inspirado em sua história.

7 de fevereiro de 1914
Aos 24 anos, Charlie Chaplin apareceu pela primeira vez no cinema como o vagabundo, personagem que o faria famoso, no curta Kid Auto Races at Venice.

8 de fevereiro de 1962
Walt Disney inaugurou os Estúdios Walt Disney, que produziu clássicos como Branca de Neve e os sete anões e A Bela Adormecida.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Matemática versal

se eu houvesse de contar palavras usaria a matemática versal
que se ocupa dos números versais. é com essa matemática versal
que sapos e meninos contam estrelas de dia.

"Livro para pescaria com linha de horizonte", Paulo Vieira

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

As vacas estão soltas por aí...

Com o desenrolar da crise econômica mundial, os meios de comunicação atuais sempre falam sobre a inadimplência de prestações, a alta dos juros e os bancos que compraram as hipotecas buscando um lucro com o mercado imobiliário. Além disso, a expressão “vivemos em épocas de vacas magras” passou a fazer parte do cotidiano popular para reforçar o momento crítico no qual o mundo se encontra.

As vacas sempre estiveram presentes no imaginário popular seja por meio da mídia ou dos ditados e expressões. O escritor Millôr Fernandes é autor de um livro no qual ele traduz ao pé da letra algumas frases bem brasileiras. O nome da obra é “A vaca foi pro Brejo” que foi traduzido como “The cow went to the swamp”, em uma verdadeira transliteração para inglês não ver. A expressão significa que algo ruim aconteceu ou que uma causa está perdida.

Recentemente um filme produzido pela Walt Disney Pictures trouxe em seu título uma outra frase do repertório popular brasileiro. “Nem que a vaca tussa” é uma animação que conta a história de três vacas que ajudam a dona da fazenda onde moram a se livrar de suas dívidas e pagar a hipoteca da propriedade.

Na verdade, a frase completa é "nem que a vaca tussa e o boi espirre" e significa que algo não será feito e nem nada extraordinário não vai acontecer. De acordo com o livro “O Guia dos Curiosos”, esta frase tem pouca verdade em seu sentido, já que como os humanos, toda a vez que a traquéia passa por um processo irritativo, os bovinos também tossem e o mesmo também vale para o espirro e a sobrecarga das vias. Porém, a expressão é válida porque os homens espirram e tossem muito mais do que os bovinos.

Mas voltemos à vaca-fria ou seja vamos voltar ao assunto. Este simpático ruminante, considerado sagrado na Índia e tão importante para nós, ainda é alvo de xingamentos e pode ser visto até mesmo de forma pejorativa. O cantor Zeca Pagodinho incorporou este espírito sarcástico à suas canções. Na música “A vaca da minha sogra” há o seguinte trecho: “Mas a vaca da minha sogra / Virou um problema para o povo /Assustando as criancinhas / E correndo atrás dos outros (...)”.

Seja de forma positiva ou negativa, as vacas se tornaram uma espécie de referência para escárnios e bem-dizeres da sociedade, fato que demonstra que este animal é lembrado por todos. Falem bem ou falem mal, mas falem das vacas!