sexta-feira, 5 de novembro de 2010

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Juliette escreve há 2 anos


Já dizia a propaganda do extinto Banco Bamerindus. "O tempo passa, o tempo voa...". E como passa! Há dois anos criei este blog para entender um pouco mais este meio e tentar encontrar alguma identidade para o meu texto. Não sei se consegui atingir esse objetivo e nem se esta página tem um perfil definido. Mesmo assim, curto os comentários aqui escritos e as ponderações dos leitores.

Há dois anos Juliette escreve, com o objetivo de expor idéias diversas, sem o compromisso de ser somente jornalistico, literário ou político. As temáticas são escritas de acordo com o seu estado e inspiração. É neste contexto que o blog funciona.

A todos os leitores, seguidores, internautas e amigos, muito obrigada pelas dicas e inspirações!

terça-feira, 10 de agosto de 2010

A arte de amar II


Pois ela é minha menina
E eu sou o menino dela
Ela é o meu amor
E eu sou o amor todinho dela
(A minha menina - Os Mutantes)


"Acho foda! Acho lindo quando duas pessoas
se gostam e resolvem espontaneamente
se juntar pra se adorar."
(Fernando Barros)

quinta-feira, 22 de julho de 2010

A arte de amar I


Diz-se que quem é feliz no amor no jogo é infeliz. E de quem faz do amor um jogo o que é que se diz?

(A dama do cassino - Caetano Veloso)

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Tupi or not Tupi, that is the question!

"O Brasil samba que dá, bamboleio que faz gingar. O Brasil do meu amor, terra de nosso senhor!"
(Ari Barroso)

Um país enorme, com sotaques, credos, misturas, uma verdadeira miscelânia, uma "torre babel" tupiniquim. Esse é o Brasil.

Não estou exaltando ou evocando o espírito ufanista do leitor e nem provocando uma sensação de nostalgia em relação às aulas de literatura, nas quais o seu professor ressaltava o movimento antropofágico e o lema do manifesto modernista proferido por Oswald de Andrade: "Tupi or not Tupi? That´s the question".

Esta verborragia frenética refere-se ao fato de que há alguns dias atrás recebi uma mensagem inusitada por e-mail. Para ser considerada "inusitada" depende do ponto de vista.

Um fórum que discute com muito bom humor uma excursão pelo Brasil. É claro que há ficção e brincadeiras, mas o desconhecimento sobre o próprio país é que torna a discussão engraçada. O ponto de partida da expedição seria o estado do Acre. Para muitos, um lugar que não existe no mapa do Brasil. Para outros, até pode existir, mas a concepção imagética do que pode acontecer em terras acrianas é a de que índios, animais e insetos conviveriam em plena harmonia na capital Rio Branco. Entre os artigos a serem colocados na mala, estão: repelentes, gps, mapa, alimentos não perecíveis e muito mais!

Considero esta experiência muito divertida! E estou dando corda. Lembram-se de uma propaganda da Revista Crescer, na qual dois bebês conversavam dentro da barriga da mãe?

- Ei! Será que existe vida após o parto?
- Hum, não sei. Ninguém nunca voltou para contar.

Sinto que é mais ou menos por aí. Relatarei então, o dia em que eu realmente for para Rio Branco e voltar para contar a dor e a delícia de ser um cidadão acriano.
Boa viagem!

sexta-feira, 28 de maio de 2010

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Elsa e Fred


Você tem medo de morrer? A morte é a única certeza que temos na vida. Díficil prever quando este momento irá acontecer, mas viver para esperá-la não é o melhor caminho. Livros de auto-ajuda e frases de efeito dizem para vivermos cada momento como se fosse o último, questionam os valores humanos e dizem que o segredo é pensar sempre positivo. Talvez.

Se você é jovem e vê uma vida inteira a sua frente, provavelmente faz planos e não vê estes valores desta maneira. Mas o seu ponto de vista pode mudar ao alcançar a famosa terceira idade. É neste momento que o passado vem à tona e tudo o que já viveu se transforma em sabedoria e experiência. É quando as doenças aparecem, os netos já cresceram e uma longa estrada já foi percorrida...

Dentro deste contexto se passa o filme "Elsa e Fred - um amor de paixão" (2005). Elsa, é uma senhora argentina bastante animada, que dirige o seu carro vermelho para todos os cantos de Madrid. Ao tentar passar uma pequena mentira a diante, esta mulher se vê apaixonada por seu vizinho Fred, um viúvo de quase 80 anos, que acredita piamente na história contada por Elza.

Assim, a trama se desenrola e estes vizinhos se envolvem em uma bela história de amor, na qual ambos superam dificuldades e aprendem a enxergar os seus limites físicos e mentais, ou até a falta destes. Elsa, questiona ao seu conjuge sobre o sentido da vida e se ele realmente tem medo de morrer, ou se na verdade o medo é mesmo de viver. Já Fred, descobre que a filosofia de vida de Elsa, se baseia em esquecer dos problemas, viver intensamente os momentos mais especiais, sem se preocupar com as consequências das atitudes tomadas por ela, porque já não havia mais tempo a ser perdido. E afinal, por que perder tempo?

O filme revisita Federico Fellini em "La Dolce Vita", promovendo uma bela homenagem metalinguística ao diretor e proporcionando ao espectador um momento de emoção. Elsa, sempre sonhou em repetir a cena em que Anita Ekberg e Marcelo Mastroiani fizeram se banhando na Fontana de Trevi, em Roma. E assim, foi feita a sua vontade. Fred, reuniu o dinheiro de sua aposentadoria e mais algumas economias e comprou duas passagens para Itália, levando a sua amada para conhecer um dos principais cartões postais do país. Uma mostra de que os sonhos não se perdem com o tempo e podem sim, ser muito bem vividos.

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...
(Paciência - Lenine/Dudu Falcão).

quinta-feira, 8 de abril de 2010

O cúmulo da vergonha alheia



"Cinderela Baiana" (1998) - Filme dirigido por Conrado Sanchez.
A protagonista é Carla Perez.

Não preciso escrever mais nada.

segunda-feira, 22 de março de 2010

O português da política


Ainda faltam alguns meses para as eleições de 2010, mas os brasileiros já estão fazendo as suas apostas nos possíveis candidatos que serão eleitos. Seria Dilma Rouseff, a futura presidente da república? José Serra e Marina Silva obterão êxito em suas campanhas?

São questões que não podemos responder com muita certeza. O que podemos prever com a máxima precisão é o uso do "plural majestático" na elaboração dos discursos de apresentação das plataformas políticas.

Provalmente, ao estudar "concordância nominal" nos tópicos de português da escola, você estudou este conceito. Quando o pronome "nós" é utilizado no lugar da palavra "eu", temos a presença do "plural majestático" ou "plural de modéstia".

De acordo com o portal R7, no dia 20 de fevereiro, após ser confirmada como candidata à presidência pelo Partido dos Trabalhadores (PT), a ministra Dilma Rouseff proferiu as seguintes palavras: "Ampliaremos e aperfeiçoaremos os programas sociais do governo Lula como o Bolsa Familia, implantaremos novos programas. Mas a educação será, sobretudo, um meio de emancipação politica do nosso povo" .

Esta é apenas uma amostra do que virá pela frente. Nos programas eleitorais gratuitos exibidos na televisão, ainda assistiremos a muitas imagens de obras públicas e depoimentos de pessoas satisfeitas com as gestões dos candidatos e principalmente, veremos o emprego da linguagem da modéstia no passado e no futuro. Afinal, enfretaremos mais um disputa permeada por clichês como: "nós fizemos" muito pelo país e ainda "faremos" mais.

De qualquer forma, ao pensar em todas as críticas pautadas pela mídia em relação ao falar do brasileiro, prefiro ouvir em demasia sobre as promessas eleitoreiras em tom majestático a ter que reforçar o uso absurdo do gerundismo no telemarketing.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Versões...

O cantor e pianista Jamie Cullum fez a versão de uma música pop conhecida.




Conseguiu descobrir qual é?

Não?

Então, veja a original!


sexta-feira, 5 de março de 2010

Mais uma vez - Adélia Prado!


Com Licença Poética


Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.

(Adélia Prado)

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Let The Sunshine In



Impressionista
Uma ocasião, meu pai pintou a casa toda
de alaranjado brilhante.

Por muito tempo moramos numa casa,

como ele mesmo dizia,

constantemente amanhecendo.
(Adélia Prado)

Luz do sol
Luz do sol
Que a folha traga e traduz

Em ver de novo
Em folha, em graça
Em vida, em força, em luz..

(Caetano Veloso)

Saúdo-os e desejo-lhes sol [...]
(Alberto Caiero)

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Surpresa!


Existem obras em que os finais são sempre previsíveis. Comédias românticas geralmente terminam com finais felizes e beijo na boca, não é? Nas novelas, as mocinhas choram durante toda a trama e no final sempre encontram os seus caminhos.

Mas e quando não é possível prever o final? Quando as coisas parecem ser o que não são? Se você assistiu os filmes "Os outros" e "A vila" entende bem o que quero dizer nesta postagem. Caso não tenha visto nenhum dos dois, eu explico. No primeiro filme, uma mulher se muda com os filhos para uma mansão, para esperar que o marido volte da guerra. Estes novos habitantes da casa, apresentam comportamentos estranhos e uma espécie de doença que os impede de receber a luz do sol. O desfecho é inusitado e descobrimos que na verdade, esta família não pertence a "este plano" e por aí, é possível entender a surpresa de quem assiste. Como já entreguei demais o enredo, sugiro que assistam o segundo filme e tirem as suas conclusões!

Na literatura é comum observarmos este tipo de surpresa em contos e poesias. Thiago Almeida, autor do blog Meio Pau é mestre nesta arte. Ele escreve textos com temas diversos que se desdobram em coisas inimagináveis e reflexivas, mas sempre muito bem tecidos e amarrados.

Neste contexto, destaco a música como um terreno fértil e bastante explorado. Os compositores Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante, da Banda Los Hermanos, sabem contar histórias por meio de suas canções. As "narrativas" apresentam início, meio e fim. Quase não vemos repetições exaustivas de refrão e assim acompanhamos os sentimentos do eu-lírico de forma a querer saber como ele se resolveu diante de determinada situação. Quer um exemplo? "Veja meu bem" é um relato de um personagem solitário e que revela quem é a sua verdadeira companhia.

Veja a interpretação de Maria Rita para a música:



Vale a pena conferir também a versão de Ney Matogrosso para esta letra.

Gostou?

Então, me surpreenda com seus comentários!

domingo, 31 de janeiro de 2010

Got Moloko?

A campanha de promoção para o consumo do leite mais famosa do mundo, a "Got Milk", foi criada pela instituição California Milk Processor Board (CMPB) em 1993. As propagandas encenam atuações nas quais os personagens envolvidos sentem a falta de leite por algum motivo, seja para digestão de alimentos, seja para desempenhar uma atividade importante em suas vidas.

Muitos artistas já se envolveram na causa e toparam a ideia de finalizar os seus comerciais com o tradicional bigode de leite, marca que simboliza a "Got Milk".

Em 2003, o comercial "Birthday" veiculado pela campanha foi vencedor do Leão de Ouro no Festival de Cannes. A propaganda simboliza um hábito americano de saborear o bolo de aniversário com leite.

Recentemente, foi lançado o slogan "Say cheese with got milk" voltado para o público infantil. O objetivo desta ação era fazer com que crianças de até 12 anos enviassem fotos nas quais estivessem com seus mais belos sorrisos e assim, mostrar que o leite nos ajuda a ter dentes fortes e saudáveis.

Outro gesto importante foi a participação da empresária Carolina Herrera no projeto. Juntamente com a sua filha, Herrera quis mostrar às mães espanholas que o leite é importante para a nutrição das famílias.

Da realidade para a ficção, o célebre personagem de "Laranja Mecânica" Alex Delarge, é um assíduo consumidor de leite, quer dizer, de Moloko - palavra da linguagem própria utilizada por ele. Embarcando nisso, diversos sites da internet divulgam imagens de Delarge participando da campanha. Quem sabe esta atitude não abarca outro tipo de público?


Alex Delarge com um copo de Moloko

Carolina Herrera e sua filha


Para quem quiser acompanhar as ações da "Got Milk", o site é: http://www.gotmilk.com/

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

A ironia


O twitter é uma rede social interessante na qual o usuário conta com um espaço de no máximo 140 caracteres para postar uma informação, frase ou qualquer coisa que vier na cabeça, diretamente para os seus seguidores.

Seguir alguém significa que o internauta logado no site acompanha e lê o que uma outra pessoa escolhida escreve. Esta ferramenta apresenta um uso estratégico por diversos setores da sociedade. Algumas empresas a aproveitam para a divulgação de promoções, novos produtos e claro, prospecção. Os jornalistas podem recorrer aos seus seguidores para formar um banco de personagens para matérias e até uma boa coleção de pautas.

Twittar pode ser divertido. Escrever algo curto e interessante (quase respondendo algumas perguntinhas básicas - quem, como, onde, quando e por quê?) inspira cuidados e criatividade. Existem pessoas que publicam frases sobre o cotidiano e suas próprias vidas, como por exemplo: "Hoje acordei e vi um homem passando na rua!". Há quem goste de ler sobre a vida alheia.

Os artistas e humoristas lançam suas piadas e fidelizam seus públicos que anseiam por mais frases engraçadas e impactantes. Destaco a ironia do comediante Bruno Mazzeo nesta quarta-feira (27):

@bmazzeo O Brasil pode dormir mais tranquilo: http://migre.me/hTFH

Sugiro aos leitores do blog que cliquem no site indicado.
Leram? E aí, concordam então que o Brasil pode se tranquilizar? Poderíamos esperar que a violência nos morros cariocas foi contida ou que foi instaurada uma CPI revolucionária não é? Este tipo de crítica sobre a ausência de algo relevante em sites especializados "na vida de artistas" faz com que possamos refletir.

Twittar pode ser interessante.
Experimente, ironize.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Trilha Sonora



O blog indica a trilha sonora do filme "Forrest Gump".

Conheçam Alan Silvestri.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

A semana acabou de começar e...


... o que temos?

Terremoto no Haiti.
A morte de Zilda Arns.
O desabamento de um prédio em Juiz de Fora.
Uma mudança econômica na Venezuela.
A loucura de Chavez.
Um calor terrível.
O começo de mais uma edição do Big Brother.

E Lula resolve criar a Comissão da Verdade.
(Dois Minutos de Ódio, Polícia do Pensamento, 1984!)

Fabio Barreto abre os olhos e responde a estímulos.
Google ameaça encerrar as suas atividades na China.
Miep Gies, sobrevivente do Holocausto que ajudou a família de Anne Frank, morre aos 100 anos.

São tantos os destaques, as tragédias.
E 2010 começa.